Reviews

Macabre Rampages and Splatter Savages – Brazilian xtreme send back my stamps (pt)

2012, 29/Apr
Featured on: Brazilian xtreme send back my stamps
Format: Facebook Group
Date: 2012, 29/Apr
Review by: Slanderer Possessed
Link: Brazilian xtreme send back my stamps

Que absurdo!!! O Offal, banda formada já algum tempo e com lançamentos dignos por aí, não se fazia presente por aqui no meu modesto acervo. Esporadicamente olhei alguns flyers e/ou a citação do nome da banda, mas vergonhosamente ignorava. De forma leviana, talvez pensasse que se tratava de mais uma banda de Splatter sem muita coisa a dizer e com um som que supostamente datado, tendo em vista um sem número de bandas que mesclam gore e brutal Death Metal que pipocaram nos últimos cinco ou seis anos, condicionados a moda gerada por um Necrophagist da vida.

Antes tarde do que nunca, “Macabre Rampages and Splatter Savages” revela-se com um item indispensável, Death Metal com ares da podreira tradicional do Autopsy e das linhas cadenciadas do Xysma. Foge à regra do Splatter mais purulento e desconcertante. Aqui a sonoridade segue o rito da decomposição, com o sabor da morte lenta, do pesar ante a barbárie humana e da progressão verminose que cada faixa transgride, vomitando partes lentas, climáticas, por vezes velozes como a velha escola sueca ensina bem, aquela típica bateria HC que só agrada os iniciados.

“Trial of the Undead”, “The Eye-gouging”, “The Cold Grips of Death”, “Mortuary Waste” e as instrumentais “Deep Red – The Blood Is Running Cold” (uma justa homenagem ao cineasta Dario Argento – com direito a linhas de Cello) e “Terrore in Giallo” são faixas que demonstra uma banda com maturidade de sobra, explorando a sublime sujeira em partes cadenciadas de forma a se valer do Offal uma banda bem acima da média e fora da zona comum. É claro que toda podridão se ouvem em “The Eye-gouging” e “Death’s Curse”, mas sempre priorizando uma essência de marcha desolada e de tempos turvos.

Parabéns ao Offal por esse puta disco, clássico e pecaminoso por excelência. Não custa dizer outra vez: item obrigatório.